POLÍTICOS e Igreja CATÓLICA

Versão de impressão

O surgimento dos ''cismáticos devotos'' na Igreja Católica

A dissensão contra o Papa tornou-se radicalizada com instintos cismáticos, porque esse tipo de devoção política tem mais a ver com uma ideologia partidária do que com a Igreja. O catolicismo foi exposto à manipulação ideológica por parte daqueles que realmente não se importam com o Evangelho, mas que estão mais interessados numa cultura política conservadora particular, que encontrou apoio no Vaticano e nos círculos eclesiásticos bem antes de Francisco. “Se Matteo Salvini se tornar primeiro-ministro, a Itália terá um governo liderado por um católico que é devoto, mas cismático.”
Salvini, 46 anos, é ministro do Interior da Itália. Nacionalista anti-imigrante, e também vice-primeiro-ministro do país e seu líder de fato. E é um herói para certos católicos devotos. Ele se levantou em oposição ao Papa Francisco  (especialmente sobre a questão migratória) e ajudou a mostrar que, na Itália, assim como nos Estados Unidos, a Igreja Católica está agora abertamente dividida.

 Afirmação de Sergio Romano, ex-embaixador da Itália junto da NATO e da ex-União Soviética, em artigo recente publicado no jornal italiano Corriere della Sera

Ler Entrevista